Quem Somos | Benefícios | Departamentos | Convenção Coletiva | Associe-se | Fale Conosco
 
 
» Notícias
 
 
 
Justiça do Trabalho valida demissão por justa causa de funcionária de hospital infantil que se recusou a tomar vacina da covid-19 

A juíza Isabela Flaitt, da 2ª Vara do Trabalho de São Caetano do Sul, validou a demissão por justa causa de uma auxiliar de limpeza de um hospital infantil em São Caetano do Sul que se recusou a ser imunizada contra a covid-19. A magistrada recusou pedido para reverter o rompimento unilateral do acordo de trabalho ponderando que ‘a liberdade de consciência não deve se sobrepor ao direito à vida’.

“A necessidade de promover e proteger a saúde de todos os trabalhadores e pacientes do Hospital, bem como de toda a população deve se sobrepor ao direito individual da autora em se abster de cumprir a obrigação de ser vacinada”, registrou Isabela.

A decisão foi proferida no âmbito de ação apresentada à Justiça do Trabalho em São Paulo em que a ex-funcionária do hospital alegava que ‘não teve oportunidade de explicar sua decisão’. As informações foram divulgadas pelo Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região.

Segundo os autos, o hospital comprovou ter realizado campanhas sobre a importância da vacinação, em especial para os que atuam em áreas críticas do ambiente hospitalar, e juntou advertência assinada pela trabalhadora por recusar a vacina. Outra negativa de vacinação pela funcionária ocorreu menos de uma semana depois. No processo, a trabalhadora não apresentou qualquer motivo médico que justificasse a falta de vacinação.

Ao avaliar o caso, a juíza Isabela Flaitt considerou que o hospital cumpriu a obrigação de informar seus funcionários sobre como se proteger e evitar possíveis transmissões da covid-19. Segundo a magistrada, é dever do empregador oferecer condições dignas que protejam a saúde, a integridade física e psíquica de todos os trabalhadores que lhe prestem serviços.

A magistrada ainda ponderou que a empresa ainda afirmou, citando pneumologista especialista no assunto, ‘que a vacina é a única e perfeita solução de controle de uma epidemia do porte da covid-19’.

Ao fundamentar sua decisão, a juíza ainda lembrou do entendimento do Supremo Tribunal Federal sobre a obrigatoriedade da vacinação contra a covid-19 e mencionou guia técnico do Ministério Público do Trabalho sobre a imunização, que prevê afastamento do trabalhador e considera falta grave a recusa injustificada em não se vacinar.

 

 

 

15/05/2021 - Estadão  
 

Classe média sente mais o peso da inflação neste ano
15/06/2021  - Folha de São Paulo
A evolução doutrinária e cultural do assédio sexual no ambiente de trabalho
14/06/2021  - Estadao
Vacinação acelerada pode fazer 54% dos pequenos negócios retomarem faturamento até agosto
14/06/2021  - Estadao
Verba de 23 mil multas trabalhistas ajuda a pagar vacinas contra covid-19
08/06/2021  - uol
Poder de compra em Goiás recupera fôlego e pesquisa registra alta no consumo
08/06/2021  - O Popular
23,6 milhões pagam juro acima da média do mercado
07/06/2021  - O Popular
Comércio de Goiânia espera menor restrição no horário de funcionamento no Dia dos Namorados
01/06/2021
Funcionária gravou no celular 'paredão' de demissão em empresa
31/05/2021  - G1
Goiânia confirma restrições e veta comércio de bebidas após 23h em novo decreto
28/05/2021  - O Popular
Empresas preveem volta ao escritório em 2022 e adotam trabalho híbrido de forma permanente
25/05/2021  - Estadao
 
 
 
 
SECORV - Sind dos Empregados no Comércio de Rio Verde
Rua Luiz de Bastos, 270, Centro - CEP 75901-010 - Rio Verde - GO
Telefones: (64) 3621-4705