Quem Somos | Benefícios | Departamentos | Convenção Coletiva | Associe-se | Fale Conosco
 
 
» Notícias
 
 
 
Filhos De Ex-Funcionários Da Mesbla 'Ressuscitam' Varejista Que Faliu Há 23 Anos 

Vinte e três anos após sua derrocada, a marca Mesbla foi resgatada por dois irmãos, filhos de ex-funcionários da varejista que já foi uma gigante no passado, com mais de 180 lojas espalhadas no País em seu auge. O empreendedor Marcel Jerônimo e o advogado Ricardo Viana desembolsaram R$ 500 mil, com recursos da família, pela licença de uso da marca. A Mesbla ganhou nova roupagem, bem distante das megalojas do passado: seu formato será apenas online, por meio de um marketplace, que é aquele em que lojistas se “plugam” à plataforma.

O pai de Marcel e Ricardo, Alfeu Viana, trabalhou na Mesbla por seis décadas – seu único emprego. Ele se aposentou quando foi decretada sua falência, em 1999, quase 90 anos após sua fundação, em 1912. “Foi um período muito conturbado, meu pai sentiu muito. O baque foi muito grande”, conta Viana, que antes do investimento na varejista atuava como advogado autônomo nas áreas civil e trabalhista.

“Se eu falar que nós somos como filhos da Mesbla, não seria algo distante da realidade”, conta o advogado e agora empresário do setor de varejo. Isso porque, detalha, seu pai conheceu sua mãe, Adeilza Viana, quando os dois trabalhavam na varejista – ela era uma das vendedoras. Seu irmão e sócio na empreitada, Marcel, teve também na varejista seu primeiro emprego, aos 14 anos. “A Mesbla é como se fosse um parente.”

Não é a primeira vez que uma varejista que faliu tem uma segunda chance como marca online. O Mappin, que chegou a compartilhar o mesmo dono da Mesbla, mas também não sobreviveu, teve o mesmo destino. Tornou-se um site de comércio eletrônico após ser comprado pelos donos do grupo Marabraz, embora sem grande relevância no cenário nacional.

Interesse de décadas

De acordo com Viana, desde a falência da Mesbla, o interesse na marca sempre ficou latente, até a chegada da pandemia, quando ele percebeu, ao lado do irmão, que a marca poderia ter um novo espaço no mercado se operada digitalmente.  “Entendemos que hoje em dia há espaço para todo o mundo no mercado, que está em franca ascensão”, disse ele.  

O dado que ele traz embaixo do braço é de que, no ano passado, o e-commerce brasileiro cresceu 26,9%, comparado ao ano de 2020. O segmento teve faturamento próximo a R$ 160 milhões, de acordo com pesquisa da empresa Neotrust, responsável por monitorar 85% do e-commerce do país.

 

12/05/2022 - Estadão  
 

Jornal O Popular destaca luta do SECEG para fechar Convenção Coletiva de Trabalho junto ao Sindilojas
04/07/2022
Encontro dos membros do Conselho de Representantes da FETRACOM GO/TO.
27/06/2022
Negociado sobre o legislado: nova decisão do STF
23/06/2022  - Estadão
Negociado sobre o legislado: nova decisão do STF
23/06/2022  - Estadão
"Fui demitida com 35 colegas por vídeo"
23/06/2022  - BBC
"Fui demitida com 35 colegas por vídeo"
23/06/2022  - BBC
Quase 40% dos goianos tem nomes negativados
20/06/2022  - O Popular
Grupo Carrefour Brasil se torna o maior empregador privado do País
14/06/2022  - Estadão
Senhor Alcemo, 99 anos. O SECEG apresenta seu sócio mais experiente
13/06/2022  - SECEG
STF decide que sindicatos devem ser ouvidos
09/06/2022  - G1
 
 
 
 
SECORV - Sind dos Empregados no Comércio de Rio Verde
Rua Luiz de Bastos, 270, Centro - CEP 75901-010 - Rio Verde - GO
Telefones: (64) 3621-0385