Quem Somos | Benefícios | Departamentos | Convenção Coletiva | Associe-se | Fale Conosco
 
 
» Notícias
 
 
 
STF decide que sindicatos devem ser ouvidos 

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira (8), por 6 votos a 3, que é obrigatória a intervenção prévia dos sindicatos para que uma empresa faça a demissão em massa de trabalhadores.

Segundo a decisão do STF, significa que é imprescindível o diálogo da empresa com os sindicatos, mas isso não se confunde com a autorização do sindicato para a realização das demissões.

O recurso analisado foi apresentado pela Embraer e sindicatos contra decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST) que exigiu a negociação no caso da demissão de mais de 4 mil trabalhadores da empresa em 2009.

A tese firmada pelo plenário foi:

Intervenção sindical prévia é exigência procedimental imprescindível para dispensa em massa de trabalhadores, que não se confunde com autorização prévia por parte da entidade sindical ou celebração de convenção ou acordo coletivo.

A decisão tem repercussão geral, isto é, deverá ser seguida pelas demais instâncias da Justiça.

Não há um número de trabalhadores específicos para caracterizar uma demissão em massa. O TST tem decidido caso a caso, baseado nos motivos que levaram às demissões, como econômico, tecnológico ou de alteração na estrutura da empresa.

O julgamento

A análise teve início em maio do ano passado e foi interrompida por pedido de vista (mais tempo para analisar o caso) do ministro Dias Toffoli.

O relator do recurso, ministro Marco Aurélio Mello, hoje aposentado, defendeu a tese de que não há necessidade da negociação.

“A iniciativa da rescisão é ato unilateral, não exigindo concordância da parte contrária, muito menos do sindicato que congregue a categoria profissional", defendeu o ex-ministro na época.

O relator foi acompanhado pelos ministros Nunes Marques e Gilmar Mendes.

A maioria dos ministros, no entanto, seguiu o entendimento do ministro Edson Fachin, que divergiu e votou pela necessidade de negociação prévia com sindicatos.

Foram a favor da exigência de intervenção os ministros Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Luís Roberto Barroso e Rosa Weber. O presidente da Corte, ministro Luiz Fux, estava ausente da sessão e não votou.

O ministro Alexandre de Moraes, que havia acompanhado o relator na sessão anterior, mudou o voto e decidiu também acompanhar Fachin.

Em seu voto, Fachin afirmou que a Constituição garante o poder de negociação.

“As normas constitucionais constituem garantias constitucionais contra qualquer ação, do poder público e das entidades privadas, que possa mitigar o poder de negociação", disse.

O ministro Dias Toffoli destacou que “não se trata de pedir autorização ao sindicato, mas de envolvê-lo no processo, podendo contribuir para a economia do país, ou da região ou do município”.

 

09/06/2022 - G1  
 

Terceira Turma reconhece estabilidade à gestante em contrato de aprendizagem
01/08/2022  - TRT Goiás
Nova carteira de identidade começa a ser emitida dia 4 de agosto em Goiás
26/07/2022  - O Popular
Volkswagen anuncia demissão de CEO global Herbert Diess em meio a conflitos com trabalhadores
25/07/2022  - Estadão/Dow Jones Newswires/Foto:Automotive Business
Empregada de empresa de call center receberá adicional de periculosidade
25/07/2022  - TST
AS MENTIRAS QUE PODEM ACABAR EM DEMISSÃO POR JUSTA CAUSA
22/07/2022  - G1
Pesquisa aponta que 8 em cada 10 consumidores preferem fazer compras perto de casa
20/07/2022  - O Popular
Acidente de trabalho: padaria vai reparar danos em mais de R$ 200 mil a confeiteiro por negligência
19/07/2022  - Comunicação Social - TRT/18
TRT-18 mantém vínculo empregatício de montador de móveis com empresa varejista
19/07/2022  - Rejane Rocha/Comunicação Social TRT-18
Contribuintes goianos têm até 18 de julho para quitar dívidas que estavam suspensas na pandemia
13/07/2022  - O Popular
Goiás cria mais de 14 mil vagas de emprego no mês de maio
12/07/2022  - O Popular
 
 
 
 
SECORV - Sind dos Empregados no Comércio de Rio Verde
Rua Luiz de Bastos, 270, Centro - CEP 75901-010 - Rio Verde - GO
Telefones: (64) 3621-0385