Quem Somos | Benefícios | Departamentos | Convenção Coletiva | Associe-se | Fale Conosco
 
 
» Notícias
 
 
 
Empregada de empresa de call center receberá adicional de periculosidade 

 A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) condenou a Call Tecnologia e Serviços Ltda. a pagar adicional de periculosidade a uma operadora, porque as atividades da empregada são desenvolvidas em área de risco. Como no prédio onde a empresa funciona fica armazenado líquido inflamável em quantidade superior ao limite legal, o colegiado deferiu a parcela com base na Orientação Jurisprudencial 385, da SDI-1 do TST.

Entenda o caso

Na reclamação trabalhista, a operadora pediu a condenação da empresa ao pagamento de adicional de periculosidade, alegando que atua em prédio onde existe armazenamento de óleo diesel em quantidade que extrapola o permitido pela legislação vigente.

Com base em prova emprestada de outro processo (laudo pericial realizado por engenheiro de segurança no trabalho), a 68ª Vara do Trabalho de São Paulo (SP) reconheceu que a empregada sempre trabalhou em área de risco e condenou a empresa a pagar adicional de periculosidade de 30%, calculado sobre o salário básico, e reflexos. A sentença, contudo, foi reformada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, que decidiu excluir da condenação o adicional de periculosidade. A empregada recorreu, então, para o Tribunal Superior do Trabalho. 

Construção vertical

Para a Quinta Turma do TST, é devido o pagamento do adicional de periculosidade ao empregado que desenvolve suas atividades em edifício (construção vertical) onde estão instalados tanques para armazenamento de líquido inflamável em quantidade acima do limite legal. Isso seja em pavimento igual ou diferente de onde está o trabalhador. 

O ministro Alberto Balazeiro, relator do recurso de revista da operadora, foi enfático ao explicar o alcance da proteção legal quanto à exposição ao perigo. Segundo o ministro, “considera-se como área de risco toda a área interna da construção vertical”. Desse modo, o colegiado acompanhou o relator para entender que foi contrariada a Orientação Jurisprudencial 385, da SDI-1 do TST, decidindo prover o recurso da empregada para determinar o pagamento do adicional de periculosidade e dos reflexos.

 

Processo: RR-1000283-50.2018.5.02.0048

 

25/07/2022 - TST  
 

Aviso prévio: o que é, quem tem direito e quando o trabalhador tem de cumprir
21/09/2022  - CUT
ATENDENTE TRATADA AOS GRITOS POR GERENTE RECEBERÁ INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS
21/09/2022  - TRT1
STF forma maioria para suspender piso da enfermagem e governo analisa impactos
19/09/2022  - O Popular
Salário mínimo 2023 com nova previsão 
19/09/2022  - Edital Concursos
TNG aprova plano de recuperação judicial e evita despejo de shoppings
13/09/2022  - Estadão
Cuidado com a Baixa Umidade
12/09/2022  - SECEG
Usuários aprovam 5G em Goiás, mas sinal ainda é para poucos
12/09/2022  - O Popular
O que deve acontecer com a reforma trabalhista depois das eleições?
12/09/2022  - Folha Press
Nivea lança primeira linha voltada à pele negra em 110 anos de atuação no Brasil
12/09/2022  - Estadão
Governo sanciona lei que libera laqueadura e vasectomia sem aval do cônjuge
05/09/2022  - Folha Press
 
 
 
 
SECORV - Sind dos Empregados no Comércio de Rio Verde
Rua Luiz de Bastos, 270, Centro - CEP 75901-010 - Rio Verde - GO
Telefones: (64) 3621-0385